sexta-feira, 18 de novembro de 2016

TRUMP

Esta eleição surpreendente de Donald Trump deixou a imprensa, mídia escrita e falada, sobressaltada, perdida, sem saber como interpretar tal "disparate"!. Todos "eram" Hillary desde criancinha.
Os institutos de pesquisas, com suas análises meio horóscopo, astrológicas, com aquelas previsões ditas baseadas em estatísticas, ficou longe de acertar.
Isto faz a gente pensar mais um pouco sobre o papel da imprensa de um modo geral na cobertura e opinião dos acontecimentos "hodiernos" e contemporâneos, que deveria ser isenta, imparcial, ficar apenas no fulgor, contida nos fatos, somente neles, sem tomar posição.
A imprensa brasileira não consegue ficar sem tomar partido pois depende quase totalmente dos anúncios publicitários, das campanhas e das peças publicitárias do governo, e, desta maneira, e de alguma forma, tem a consciência comprada e comprometida, sob o risco de sofrer retaliação caso contrarie os interesses lá de cima.
Tem um colunista da Tribuna da Imprensa, Hélio Fernandes, que diz em alto e bom som que a imprensa que defende o governo, para o que der e vier, com aquela fidelidade canina, é chamada "amestrada". Além de amestrada, é manipulada, comem na mão do governo, segue a cartilha vinda do poder com todos seus parágrafos, pontos e vírgulas.
Na época do FHC, a mídia lhe era totalmente favorável, pouca coisa a gente ficava sabendo, ficava alheia ao que acontecia nos estertores do poder tucano. Havia até um "engavetador geral" naquela época, vigilante para não deixar a "coisa" descambar e tomar "de" conta!
No governo petista, graças aos blogs "aliados" e mantidos pelas "verbas", comentaristas outrora "neutros", faziam e fazem a defesa de tal maneira que nem é necessário advogado, são contundentes e juram que nunca contrariam seus anseios e ideologias.
Com a corrupção sendo escancarada e descoberta pela Lava Jato, deixando o governo sob suspeita, seus parlamentares e blogueiros passaram a exigir o controle da mídia, maneira sutil de estancar e salvaguardar a sangria de denúncias pipocando todo dia.
Graças a esta imprensa, como no governo Collor, foi descoberta muita coisa que colocava o governo Dilma em polvorosa, em maus lençóis, e demonstraram que aquele projeto de poder tinha, também, o poder de fazer o que bem quisesse do dinheiro público. E deu no que deu.
Graças a esta imprensa golpista, opositora, que botou na rua e em letras garrafais as denúncias e investigações respectivas, ficamos por dentro das maracutaias, dos conluios, das mutretas e do enriquecimento ilícito de muita gente ligada por cordão umbilical ao governo.
Graças a esta imprensa, satanizada, demonizada, acusada de fazer o jogo de interesses escusos e antidemocráticos é que fizeram justiça apeando do poder aqueles que cometeram "malfeitos"!
E o tal partido não perdoa nem aceita isto, acha que a culpa vem dos outros, só fizeram copiar e colar.
E que o impeachment foi um golpe bem engendrado e articulado, que não fizeram nada de errado.
A imprensa que combate os desmandos é chamada de tucana, os petistas não conseguem ver isenção de maneira nenhuma, nem que a vaca tussa.
Boa parte da imprensa cumpriu a sua missão, de informar mandos e desmandos, com exceção desta que desqualificaram o Trump, que não olhou para o próprio umbigo brasileiro, onde os políticos mais corruptos e denunciados estão aí com total poder e autoridade (não sei como) espalhados nos três poderes.
Antes de pré-julgar, antes de rotular, e desfazer a identidade de alguém é bom que pesquisemos mais, procuremos mais dados e assim não cometer a asneira de sair por aí pagando mico.
Imparcialidade acima de tudo!

Nenhum comentário: