quarta-feira, 19 de outubro de 2016

UCHO.INFO

Artigo de Lula publicado pela Folha é nauseante e representa ode ao deboche e à mitomania

lula_1047
Chega a ser nauseante o artigo do ex-presidente Lula publicado na edição desta terça-feira (18) do jornal Folha de S. Paulo. Ciente de que é culpado pelas estripulias que cometeu ao longo dos últimos treze anos, mas exalando falsa dissimulação, Lula, o dramaturgo do Petrolão, continua insistindo no enredo bandoleiro que o transforma em vítima de perseguição.
Em texto que certamente não é de sua lavra, o petista reforça sua aludida inocência e afirma que é alvo de uma “caçada judicial”, como se cumprir o que determina a lei fosse crime no Brasil. Gazeteiro profissional, Lula tenta com esse artigo a última cartada para tentar evitar a prisão, que está prestes a ser consumada. Pelo menos é o que se espera, já que a Operação Lava-Jato reúne provas de sobra para decretar a prisão do responsável pelo período mais corrupto da história brasileira.
De chofre, nas primeiras linhas, Lula afirma “jamais encontraram um ato desonesto de minha parte”. E há de se concordar com o ex-presidente, pois a força-tarefa da Operação Lava-Jato encontrou não apenas um, mas vários atos de desonestidade por parte do petista.
Recorrendo de forma insana à mitomania, Lula atropela a verdade ao afirmar: “As falsas acusações que me lançaram não visavam exatamente a minha pessoa, mas o projeto político que sempre representei: de um Brasil mais justo, com oportunidades para todos”. No mesmo trecho, o ex-metalúrgico recorre ao dramalhão tupiniquim e dispara: “Governei o Brasil com seriedade e dedicação, porque sabia que um trabalhador não podia falhar na Presidência”.
Considerando que o Brasil é uma democracia, que como tal contempla o direito à livre manifestação do pensamento, Lula pode fazer qualquer afirmação, mesmo que estapafúrdia ou mentirosa. Afirmar que governou com seriedade e dedicação é no mínimo um deboche, pois ao longo desses anos o que mais faltou no Palácio do Planalto foi seriedade. Sem contar a roubalheira institucionalizada que levou o País à mais grave crise ética de todos os tempos.
Sobre os inquéritos e processos decorrentes da Lava-Jato, Lula abusa da bazófia ao escrever: “Estão à procura de um crime, para me acusar, mas não encontraram e nem vão encontrar”. O ex-presidente sabe que incorreu em vários crimes, mas o texto publicado pela Folha é mais um ato de desespero de alguém que já sente a Justiça em seu encalço.
Como se não bastasse a enxurrada de inverdades contida no artigo, Lula vai além e discorre sobre as conquistas proporcionadas pelo PT, partido que acertadamente já foi comparado a uma organização criminosa. “Constato que está viva na memória de nossa gente cada conquista alcançada nos governos do PT: o Bolsa Família, o Luz Para Todos, o Minha Casa, Minha Vida, o novo Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), o Programa de Aquisição de Alimentos, a valorização dos salários – em conjunto, proporcionaram a maior ascensão social de todos os tempos.”
O brasileiro está sendo devorado pela crise provocada pela fanfarrice petista, mas Lula continua acreditando que é a versão tropical e moderna de Messias, o salvador da humanidade. Falar em ascensão social diante da enorme tragédia econômica que chacoalha o País é excesso de ousadia. Contudo, como Lula adotou a teoria de Goebbels, mentir tornou-se algo normal.
Em tom messiânico, o petista recorreu ao ufanismo comunista e escreveu: “Nossa gente não esquecerá dos milhões de jovens pobres e negros que tiveram acesso ao ensino superior. Vai resistir aos retrocessos porque o Brasil quer mais, e não menos direitos.”

Nenhum comentário: