terça-feira, 25 de outubro de 2016

FRASES DO DIA (23 E 24/10/2016) - INSTITUTO HUMANITAS UNISINOS

Desconhecido

“Eduardo Cunha ainda é um desconhecido. Não só do público que se gratifica com sua prisão. Mesmo do jornalismo, dos que se intitulam cientistas políticos, da polícia até, como da Justiça. A esses setores que têm a atenção por ofício, porém, Eduardo Cunha não negou oportunidades desde a sua primeira fatia de poder de influência” – Janio de Freitas, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Desconhecido 2

“Eduardo Cunha é um desconhecido, inclusive, da Lava Jato. Foram bloqueados R$ 220 milhões seus. Em junho. Desde então, não acharam um centavo que fosse bloqueável. A Lava Jato diz que o dinheiro de Eduardo Cunha equivale a 53 vezes o declarado ou identificado. Ninguém, a não ser o próprio, sabe quanto Eduardo Cunha tem, em que lugares está distribuído o que tem, e que bens possui. É o desconhecido, afinal” – Janio de Freitas, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Trambiques

“O que me espanta é o fato de que todo o mundo político sabia (ou, ao menos, tinha a obrigação de saber) dos trambiques dos quais é acusado Eduardo Cunha e que acabaram por levá-lo à prisão. Não obstante, 267 dos 513 deputados federais —a maioria absoluta, portanto— votaram nele para presidir a Câmara” – Clóvis Rossi, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Podridão

“É como se dissessem "Cunha me representa". Quando a maioria absoluta dos parlamentares escolhe alguém como Cunha como primus inter pares, é impossível não desconfiar que a podridão do sistema político brasileiro é ainda maior do que diz a sabedoria convencional” – Clóvis Rossi, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Renan

“Compreende-se a irritação de Renan. Ele tem 32 milhões de motivos para espumar de raiva. Quem conhece o senador sabe: é nos instantes em que está fora de si que ele mostra o que tem por dentro. O que parece incompreensível é o esforço que o governo empreende para demonstrar que é parte do problema. Não há governabilidade que justifique o erro político de reforçar a impressão de que Renan manda porque pode e o presidente da República obedece porque tem juízo. Dilma Rousseff mantinha com Lula um relacionamento do mesmo tipo. Deu em Michel Temer” – Josias de Souza, jornalista – portal Uol, 23-10-2016.

Cruz e espada

“Com a volta de Moreira Franco aos holofotes após a prisão de Eduardo Cunha, o Planalto já se prepara para novo movimento em defesa de que ele ganhe status de ministro e — de quebra — foro privilegiado. Palacianos, no entanto, avaliam que as acusações até aqui não são graves o suficiente para compensar o desgaste de levá-lo formalmente para a cozinha do presidente. A disposição da bancada do PMDB de retaliá-lo, e não aprovar a mudança no status, também pesa na conta” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Nem vem

“A proposta do ex-ministro Tarso Genro de ter o prefeito Fernando Haddad na presidência do PT causou espécie em petistas paulistas. Prometem resistência se a ideia prosperar. “Quem não te conhece que te compre”, ironiza um deles” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 23-10-2016.

Haddad

“A ideia de Lula de lançar o prefeito Fernando Haddad à presidência do PT animou petistas. “Pelo menos, o PT não terá mais reunião sábado e domingo”, disse um deles. Haddad é conhecido pelo hábito de privilegiar a família no fim de semana. Mas, apesar do otimismo de alguns, não está certo que o prefeito disputará o cargo” – Coluna do Estadão – 23-10-2016.

Vem mais

“Depois da derrota acachapante nas eleições municipais deste ano — em que perdeu cerca de 350 prefeituras – o PT se prepara para uma redução expressiva em sua bancada na Câmara dos Deputados a partir de 2019” – Natuza Nery, jornalista – Folha de S. Paulo, 24-10-2016.

Aposentadoria

"Quando eu entrei no Judiciário, poderia me aposentar aos 54. Depois, teve mudança e a idade foi a 57. Agora, vou me aposentar só aos 60” – Leonel Laterza, designer gráfico, 51 anos, servidor do judiciário – Folha de S. Paulo, 24-10-2016.

“Não confio mais”

"Isso é mudar a regra no meio do jogo. Concordo que tem que ter reforma, mas antes da contratação", afirmou. "Se me aposentar aos 60, tudo bem. Mas e se, no meio do caminho, ampliarem o prazo? Eu não quero me aposentar e ir para o hospital. Estou achando que vou me aposentar aos 90. Não confio mais” – Leonel Laterza, designer gráfico, 51 anos, servidor do judiciário – Folha de S. Paulo, 24-10-2016.

Nenhum comentário: