sexta-feira, 23 de setembro de 2016

DEU NO JORNAL (BLOG "BESTA FUBANA")

UM PASSO A MAIS NA DIREÇÃO DO ABISMO

Ricardo Noblat
Para os leitores deste blog, não surpreendeu a decisão do juiz Sérgio Moro de aceitar a denúncia do Ministério Público Federal contra Lula por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, em São Paulo, e no caso do armazenamento das tralhas dele pago pela construtora OAS desde sua saída da presidência da República.
Nota aqui publicada às 9h03 do último dia 16 disse: “Na próxima segunda-feira ou o mais tardar na quarta-feira, o juiz Sérgio Moro aceitará a denúncia contra Lula apresentada pelos procuradores da Lava Jato. Ele então será promovido à condição de réu. Os procuradores não pediram a prisão de Lula. Mas, se quiser, Moro poderá decretá-la”.cartao
Por ora, Moro não achou necessário decretar a prisão de Lula. Poderá até não fazê-lo se porventura vier a condená-lo. A sorte de Lula passará então a depender do 4º Tribunal Federal de Recursos (TRF4), com sede em Porto Alegre. Se ali ele também for condenado, aí, sim, será preso e passará a cumprir pena, tornando-se inelegível por oito anos.
Não foram poucos os que imaginaram que o tom empregado pelo Ministério Público na apresentação da denúncia na semana passada poderia enfraquecê-la aos olhos de Moro. O tom não pesou em sua aceitação, apenas as provas e os indícios de materialidade dos crimes citados. Lula terá 20 dias para defender-se.
Se quiser, o Ministério Público aproveitará esse tempo para anexar mais provas à denúncia. O provável é que Moro condene Lula antes do fim do ano. Poderá, se for o caso, atenuar a situação da ex-primeira dama Marisa Letícia, também denunciada pelo Ministério Público. Disso, Moro deu indicação no seu despacho sobre a denúncia.
Como deu indicação de que não pegará leve no que se refere a Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula. Foi ele que acertou com a OAS o pagamento pelo armazenamento da mudança de Lula. De resto, Okamotto pediu e a Justiça negou-lhe um habeas corpus para anular a denúncia. É quase um réu confesso.
De pouco ou de nada beneficiará Lula o comportamento que adotou nos últimos meses de confrontar “os meninos de Curitiba” e o juiz Moro. Pelo contrário. Lula e seus advogados, que tratam Moro “como aquele juiz”, procedem como se Moro tivesse a estatura deles ou fosse menor. Aos olhos da Justiça até aqui, e da opinião pública, Moro é maior do que eles.
Promovido à condição de réu da Lava Jato pela segunda vez, Lula ainda corre o risco de ser denunciado por outros crimes que estão sendo investigados. Novas delações poderão complica-lo – entre elas, a de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e a super-delação a ser fechada dos executivos da construtora Odebrecht.
O discurso do “golpe” já rendeu o que tinha se render. O “Fora, Temer” está em declínio. O PT se prepara para amargar uma contundente derrota nas eleições municipais de outubro próximo. Com quantas divisões o partido contará para ocupar de novo as ruas, desta vez em defesa do seu principal líder ameaçado?
Fonte: http://www.luizberto.com/

Nenhum comentário: