sábado, 13 de agosto de 2016

OLIMPÍADA: O SHOW DA ABERTURA


Mais de 4 horas em frente à televisão, saindo só para tomar água ou ir ao "xixi", mas valeu a pena.
Muito bem planejado, concatenado e antenado, tudo correu às mil maravilhas e foi um espetáculo.
Nada de apagão (faltar energia numa hora dessas seria uma catástrofe - os olhos do mundo todos fixados neste nosso Brasil, e, diga-se de passagem (como diria o "baita" Neto), o mundo não esperava tanto)!!!
O tema "gambiarra" foi bem desenvolvido, inclusive com aquela bicicleta de vendedor de pamonha indo na frente com a placa de identificação de cada país. Ainda bem que esqueceram do "gato", com tanta gatunagem nas imediações.
Elevou nossa auto-estima ver China e Japão desfilando com bandeirinhas verde e amarela do Brasil!
Se os ensaios duraram 2 anos, isto explica a perfeição nos detalhes e a criatividade do brasileiro pode ser exposta em toda a sua plenitude. A cultura brasileira foi dissecada e com muita qualidade e euforia. 
A diversificação das raças, a emigração oriental que tanto progresso nos trouxe, a miscigenação africana (somos o país com a segunda maior população de negros do mundo só perdendo para a Nigéria), tudo muito bem demonstrado na apresentação. E não poderia esquecer de Portugal, nossa pátria-mãe!
O 14 Bis de Santos Dumont, a música popular brasileira com seu batuque característico, e suas variações correlatas até chegar ao punk da periferia.
Os cantores deram o seu recado, especialmente Paulinho da Viola que cantou o hino nacional. Anitta meio deslocada entre Gilberto Gil e Caetano Veloso fazia sua "sambadinha" a lá Barrichello. Anitta é uma das apadrinhadas da Globo junto com Luan Santana e Thiaguinho. Não sei como eles não apareceram também.
Naquela evolução da música,faltou a "sertaneja" e, no folclore, o Bumba Meu Boi do Maranhão, que daria um colorido todo especial. Sem contar o carimbó e O Boi Bumbá do Pará.
No mais, foi tudo dentro do "esquema", com ressalva para o discurso do presidente do COB, Nuzman, que dava a impressão de não acabaria nunca.O homem tremia todo, embolava o meio de campo com sua papelada "improvisada", foi um lenga-lenga para ninguém botar defeito. E não faltaram uns apupos!!!
Não ousaram botar no telão a figura do presidente interino, Temer, que, bastou declarar aberto os jogos olímpicos para levar uma estrondosa vaia. Não tiveram coragem, também, de homenagear Lula, "mentor" das Olimpíadas, e muitos menos Dilma, a presidente-afastada. O medo das vaias falou mais alto. 
Assim, o Brasil cumpriu o seu papel mostrando ao mundo do que é capaz quando se trata de organizar uma festa, um espetáculo daquela grandeza.
Agora, é torcer para que o restante da Olimpíada, a parte destinada às competições, siga dentro dos conformes e faça a sua parte, com qualidade, paz, segurança, pontualidade e justiça nas medalhas.
E que aquele juramento não fique só no papel e que a chama olímpica ilumine os corações e mentes.
E que a crise política, financeira e ética não venha empanar, ofuscar o brilho da pira, acesa pelo injustiçado olímpico Wanderley Cordeiro!!!
E vamos que vamos, nesta olimpíada à la Brasil, como bem disse o presidente do COI, em sua fala!!!

Nenhum comentário: