quinta-feira, 28 de julho de 2016

ME INCLUAM FORA DISSO

Dilma diz que pagamentos a João Santana são responsabilidade do PT

Presidente afastada garante que marqueteiro tratou direto com tesouraria do partido

BRASÍLIA – A presidente afastada Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que não está “cansada” e que lutará até o fim para evitar a aprovação do impeachment pelo Senado, cuja votação está prevista para o final de agosto. Em entrevista à “Rádio Educadora”, de Uberlândia (MG), Dilma ainda disse que repassou ao PT a responsabilidade pelos pagamentos feitos ao ex-marqueteiro João Santana, investigado na Operação Lava-Jato. Ela disse que o próprio João Santana afirmou ter tratado dos pagamentos com a tesouraria do PT, e não com seu comitê de campanha.
Na semana passada, um dia depois de Santana admitir em depoimento ao juiz Sérgio Moro ter recebido US$ 4,5 milhões por meio de caixa dois no exterior para saldar uma dívida de campanha de Dilma Rousseff em 2010, a presidente afastada adotou tom cauteloso e negou ter autorizado ou saber da existência do caixa dois, mas não descartou que ele tenha existido, como fizera em outras oportunidades. Depois, em nova entrevista, mudou a versão sobre o caixa dois na campanha.
— Se ele recebeu os US$ 4,5 milhões que diz que recebeu não foi da organização da minha campanha. Porque ele diz que recebeu isso em 2013. Como você sabe, a campanha começa em 2010 e, até o final do ano, ela é encerrada. A partir do momento em que ela é encerrada, tudo que ficou pendente de pagamento da campanha passa a ser responsabilidade do partido. A minha campanha não tem a menor responsabilidade sobre em que condições pagou-se a dívida remanescente de 2010. Não é a mim que tem que perguntar isso. Com quem ele tratou isso foi com a tesouraria do PT, como disse o próprio Santana — disse Dilma, na entrevista.
‘SÓ ACABA QUANDO TERMINA’
Dilma negou qualquer intenção de renunciar e garantiu que sua defesa será apresentada no prazo – que encerra nesta quinta-feira – na comissão especial do impeachment. Ela comparou o processo a uma partida de futebol.
— Não estou cansada. Estou plenamente disposta a lutar até o último minuto pelos meus direitos. Tudo bem que me escondam. Não apareço em jornais nacionais há muito tempo. Fui cassada, como se diz, da TV. Tenho uma meta: lutarei até o fim para impedir que esse impeachment ocorra — disse Dilma, enfática.
Dilma disse que haverá uma guerra de informações até o final.
— Quanto mais próximo chegarmos desse dia, teremos uma guerra de informações. Só no dia saberemos o que realmente vai acontecer. É como uma partida de futebol, a gente joga até o fim da partida e ganha, e ganha e ganha. Isso tem que ser um bom jogador. E, nesse caso, lutar até o fim para ganhar — disse Dilma, fazendo uma metáfora sobre futebol.
Dilma disse que não tem se encontrado com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), mas que tem conversado com senadores:
— O site do Senado saiu do ar e algumas coisas eram fundamentais. Vamos fazer esforço para cumpri-lo. Isso não acredito que isso tenha consequência maior. Nossa defesa está praticamente pronta.
“FUNDAMENTOS DA ECONOMIA SÃO DO MEU GOVERNO”
Dilma ainda reagiu às interpretações de que sua saída do governo melhorou o humor na economia.
— Como podem os fundamentos da economia melhorarem devido a dois meses apenas? Todos os fundamentos da economia estão dados pelo meu governo. Em dois meses ninguém recupera nada. Havia uma sistemática tentativa de criar mau humor na economia, porque todo o dia iria cair o mundo na nossa cabeça — disse ela.
E disse que participará das eleições municipais, se for chamada:
— Se for convidada, não tenho problema em apoiar forças progressistas .*
(*) CRISTIANE JUNGBLUT – O GLOBO

TUDO DENTRO DA LEI

Empresa que recebeu R$ 4,8 milhões da chapa Dilma-Temer para enviar WhatsApp tinha 2 computadores

TSE enviou ao STF informações sobre a contratação do serviço durante as eleições de 2014

Acharge-DIlma-temer-amarildo
BRASÍLIA – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, recebeu nesta semana ofício da secretaria municipal de Finanças de Uberlândia (MG) sobre fiscalização feita na empresa DCO Informática Comércio e Serviços Ltda., que recebeu R$ 4,8 milhões da campanha da presidente afastada Dilma Rousseff e do vice Michel Temer, em 2014, para enviar mensagens no aplicativo WhatsApp. No ofício, a secretaria informa que a empresa, que recebeu o valor em curto intervalo de tempo, funcionava com apenas um notebook e um servidor. A DCO recebeu esse volume de recursos em apenas quatro dias de outubro daquele ano, conforme pagamentos que constam da prestação de contas.
Como relator das contas de Dilma, Gilmar pediu a fiscalização de algumas empresas. Em abril, ele já tinha encaminhado à Secretaria Municipal de Finanças de Uberlândia cópia de um documento apresentado pelo PSDB, no qual o partido aponta indícios de irregularidades envolvendo a empreso DCO Informática Comércio e Serviços Ltda. “O estabelecimento não possui identificação na fachada, aparentemente também funciona como residência. De acordo com o sócio administrador, a mudança de endereço ocorreu em janeiro de 2014. Ele alega que a empresa possui possui um servidor, um notebook e três funcionários não registrados na CLT”, diz o ofício enviado ao TSE. O ministro Gilmar enviou as informações ao Supremo Tribunal Federal (STF), onde o caso está em análise por decisão da Justiça.
No início deste ano, o caso foi enviado ao STF para definir a questão do foro, já que envolvia a presidente afastada, e está sob análise também da Procuradoria Geral da República.
Em maio, Gilmar também já tinha pedido que o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) investigassem indícios de irregularidades em relação a duas empresas que prestaram serviços para chapa Dilma-Temer em 2014. Segundo informações prestadas pela Secretaria de Fazenda de Minas Gerais, a DCO e a Door2Door Log Serviços tiveram seus cadastros bloqueados de forma suspeita.
MENSAGENS NO WHATSAPP
A empresa DCO foi contratada para disparar mensagens no WhatsApp e informou que o preço de cada disparo variava de acordo com o porte e solicitação do cliente, entre 6 e 16 centavos de real. O responsável disse à secretaria que atuou como desenvolvedor do software que gerencia os disparos no aplicativo e que para realizar as operações na eleição presidencial 2014, “subcontratou a empresa 2K Comunicações para fazer os envios e geração de relatórios, de acordo com base de dados fornecidos pelo Partido dos Trabalhadores”. A mudança de endereço da empresa não foi comunicada à secretaria e foi considerada infração.
A prestação de contas da chapa Dilma-Temer mostra pagamentos nos dias 21, 23, 24 e 25 de outubro. Foram R$ 500 mil no dia 23; R$ 300 mil no dia 21; R$ 2,98 milhões em 24; e R$ 1,02 milhão em 25 de outubro de 2014. O presidente Gilmar Mendes enviou ofício ao ministro Edson Fachin, relator do caso no STF.
Na manhã desta quarta-feira, Dilma passou a responsabilidade ao PT por pagamentos de sua campanha feitos a João Santana, investigado na Lava-Jato.*
(*) CRISTIANE JUNGBLUT E ANDRÉ DE SOUZA – O GLOBO

GENÉRICO DO SÉRGIO MALANDRO

Paes culpa Comitê Rio-2016 por problemas em Vila e provoca SP em entrevista

aaaaaaaaaaaaa-a3654195_1477642955595237_7461438213907918021_n
O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, culpou o Comitê Organizador da Rio-2016 pelos problemas constatados na Vila Olímpica. Segundo Paes, a obra do condomínio que abrigará cerca de 11 mil atletas que participarão dos Jogos de 2016 ficou pronta há cerca de três meses. Para o prefeito, faltou acompanhamento e fiscalização para evitar os transtornos ocorridos.
“O que houve ali foi uma falha de acompanhamento, de gestão do Comitê Rio-2016″, disse Paes, durante entrevista coletiva que marcou a inauguração do RCM (Rio Media Center), nesta quarta-feira (27). “Isso serve de alerta para que o problema não se repita.”
Paes disse na entrevista que as falhas na Vila estão quase todas resolvidas. Ele, aliás, concedeu a entrevista pouco antes de se dirigir ao condomínio para receber novamente a delegação olímpica da Austrália, que abandonou o espaço por problemas nas ligações elétricas, de gás, de água e esgoto dos apartamentos. A chefe da delegação, Kitty Chiller, considerou os imóveis “inabitáveis”.
A Vila Olímpica foi inaugurada no domingo. O condomínio foi construído pela Odebrecht e a Carvalho Hosken. Custou cerca de R$ 2,9 bilhões. O empreendimento foi financiado pela Caixa Econômica Federal e também contou com aporte de recursos municipais em áreas comuns.
Na entrevista, Paes também foi questionado sobre o resultado de uma pesquisa de opinião divulgada nesta quarta-feira e que apontou que a maioria dos brasileiros acredita que os Jogos Olímpicos trará mais prejuízos que benefícios. Na resposta, o prefeito disse que brasileiros de fora do Rio não conhecem as transformações pelas quais a cidade passou nos últimos anos. Por isso, não aprovam o evento.
O prefeito ainda usou um tom irônico para provocar São Paulo, cujas obras de mobilidade para dois aeroportos estão anos atrasadas. ”Aqui, as obras não pararam. As pessoas saem do aeroporto e veem grandes obras concluídas. Não tem improviso”, disse Paes, em alusão aos atrasos da obra da ligação de trem entre a cidade de São Paulo e o aeroporto internacional de Guarulhos.

Aviso aos pessimistas

Paes disse que a Olimpíada do Rio já é um sucesso por tudo que promoveu no Rio de Janeiro. Afirmou que, faltando exatos nove dias para o início dos Jogos, chegou a hora da celebração. O prefeito, contudo, reconheceu que essa celebração pode ter seus problemas. “Aqueles que ficarem procurando algo errado vão encontrar”, disse ele.
O prefeito afirmou que o Rio de Janeiro não é uma cidade perfeita. Está, porém, muito melhor do que há sete anos, quando ela foi escolhida para sediar os Jogos de 2016.*
(*) Vinicius Konchinski – Do UOL, no Rio de Janeiro
Fonte: http://www.contraovento.com.br/

Nenhum comentário: