quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

CARTAS e E-MAILS (JORNAL DA TARDE)

O Brasil também precisa de ajuda humanitária
Benone Augusto de Paiva, CAPITAL
É muito bonito praticar um ato de solidariedade. Temos, sim, que ajudar o povo haitiano que está sofrendo por causa de uma tragédia provocada pelo terremoto que arrasou o país mais pobre do continente americano. Os países precisam se mobilizar e fornecer um grande efetivo militar para zelar pela segurança, além de enviar médicos, enfermeiros, alimentos e medicamentos. Porém, não posso questionar o motivo pelo qual o governo federal não se mobiliza da mesma forma quando uma tragédia acontece em seu território. Cadê o auxílio no caso de Angra dos Reis e no de São Luís do Paraitinga? Nossos hospitais estão caindo aos pedaços e os médicos que ali atendem pouco fazem para salvar os seus pacientes, mas o governo faz questão de enviar os melhores para atender pessoas de outro país. E então presidente Lula, o senhor realmente está agindo de forma correta? Enquanto os brasileiros não experimentam uma grande fartura de alimentos, o senhor realmente deveria enviar toneladas e toneladas de alimentos para o Haiti? “Haiti começa a receber ajuda humanitária” (Radar, 15/1, pág. 13A). Enquanto o Brasil faz bonito internacionalmente, internamente está agindo de forma vergonhosa.
JUSTIÇA
Carolina Seixas, CAPITAL
Ler a reportagem “Criança levava celular à prisão” (Cidade, 19/1, pág. 10A) me deixou mais do que perplexa. Saber que uma mãe teve a ousadia de usar o filho de apenas 11 anos para tentar entrar com 14 telefones celulares e 23 chips na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau foi demais. Não entendo como algumas pessoas têm coragem de usar seus filhos dessa forma. Com essa atitude, a mulher mostrou que sua família tem um valor ínfimo. Porém, o que mais me revoltou foi saber que ela responderá o processo por “ingressar, promover, intermediar, auxiliar ou facilitar a entrada de aparelho telefônico de comunicação móvel, de rádio ou similar, sem autorização legal, em estabelecimento prisional” em liberdade. A Justiça brasileira deveria ser muito mais dura.
HAITI
Luiz Nusbaum, CAPITAL
As primeiras horas da tragédia haitiana foram marcadas por imagens de destruição, sofrimento, desconsolo e desorientação. Todavia, as imagens agora são de falta de condições para atendimento aos sobreviventes e de saques: “ONU perde o controle no Haiti” (Radar, 19/1, pág. 14A). A situação não permite demora e os haitianos precisam de auxílio imediato. Não dá para aceitar que essa situação se prolongue por mais tempo. E, em minha opinião, o povo do Haiti não está nem pensando no dinheiro. Imagino que esteja pensando e se preocupando apenas em sobreviver em meio ao caos.

Nenhum comentário: